Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte


A Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte foi criada pelo do Decreto nº 6874 de março de 1976, assinado pelo então Governador Tarcísio Maia, através de iniciativa do, à época, Secretário de Educação e Cultura, Professor João Faustino, passando a pertencer aos quadros administrativos da mesma Secretaria.

O primeiro concerto foi realizado em 11 de março de 1977, e teve como maestro o pernambucano Mário Câncio Justo dos Santos, que organizou e regeu a orquestra por aproximadamente 10 anos. A orquestra começou com um quadro de 23 músicos efetivos, dos quais apenas cinco residiam na cidade do Natal, e executava um repertório barroco e camerístico.

O primeiro concurso público para ingresso na Orquestra Sinfônica acontece em 1988, na gestão do então Governador Geraldo Melo. Assim, a orquestra foi ampliada e passou a contar com 60 músicos. Nessa mesma época o violinista e professor Osvaldo D’Amore passou a ser o novo regente da orquestra, cargo no qual permaneceu por quase 20 anos.

A Orquestra desde então passou a realizar um profícuo trabalho apresentando concertos oficiais no Teatro Alberto Maranhão, concertos populares externos, concertos educativos para toda a rede de ensino, bem como, concertos especiais no interior do Estado. A OSRN tem três CDs gravados, dentre os quais um com a participação dos artistas Sivuca, Canhoto da Paraíba, Moraes Moreira e Henrique Cazes.

Desde a sua fundação, a Orquestra Sinfônica contou com a colaboração de vários diretores administrativos. A primeira foi Zuleika Romano, que esteve no cargo durante todo o período do então maestro Mário Câncio. Posteriormente assumiram o cargo: Selma Sá, Diana Fontes, Olga Aranha, Deijair Borges, Candinha Bezerra, Gina Cavalcanti, Fidja Siqueira, Paulo Henrique de Lima (primeiro músico titular da OSRN a ocupar o cargo), Francisco José Alves, Maria das Dores, e atualmente Luiz Antonio Paiva (primeiro músico titular da OSRN escolhido diretamente por seus pares).

Em 2007 assumiu como regente da Orquestra Sinfônica o Maestro André Muniz; em 2011 assumiu por um curto período o Regente Pe. Pedro Ferreira; e em setembro de 2012 assumiu o atual Maestro Linus Lerner. Na atual temporada de 2016, a OSRN executa um projeto com regentes e solistas convidados, nacionais e internacionais, o que proporciona um crescimento musical imensurável para os músicos integrantes da OSRN, já que cada profissional convidado compartilha com a Orquestra sua concepção musical, sua experiência artística e sua interpretação para cada obra executada.

Atualmente a Orquestra conta com 60 músicos que ensaiam diariamente na Cidade da Criança, sede atual da OSRN, e continua com todo afinco a realizar um trabalho tanto educativo com a formação de novas plateias, quanto de difusão da música de qualidade, seja ela erudita ou popular. Um trabalho de suma importância para o desenvolvimento cultural do Estado do Rio Grande do Norte.